Interconectividade

O universo digital em 3 dimensões

o-universo-digital-em-3d-claudio-barbosa-perfil
Compartilhe para que mais pessoas leiam também.

O artista gráfico Cláudio Antônio Barbosa fala sobre suas experiências como freelancer, as dificuldades da profissão e dicas para profissionais da área.

Uma jornada de perseverança, empreendedorismo e aprendizado. Este é talvez o caminho de todos os freelancers da arte digital e de todos os outros setores de atividade. Para muitos profissionais da área de marketing e comunicação, a experiência fala bem alto, e Cláudio Barbosa não foge à regra.

Cláudio conta que iniciou em 1994 atuando como desenhista de outdoors e auxiliar de fotolito. Em 1999, a empresa em que trabalhava adquiriu a plataforma de fotolitos digitais, iniciando um processo de informatização dos setores, comum a uma época de transições que presenciou uma avalanche tecnológica sucumbindo consolidadas ferramentas de trabalho. Nesse sentido, a adaptação à nova realidade foi decisiva:

Na ocasião conheci um profissional que vale ser citado chamado Cristiano Schembri: ele dominava absurdamente a plataforma Macintosh e todos os programas gráficos. Pelo fato de eu ter me apaixonado pelas ilustrações vetoriais e ser extremamente dedicado, com aproximadamente 6 meses eu já resolvia a maioria das necessidades que a função exigia por meio dos programas existentes na área.

claudio-barbosa-3d-restaurante-externa

A curiosidade é característica essencial para o aprendizado. Mesmo com limitações da época, conta que em 2000, ao ir com seu patrão a um estúdio de computação gráfica, viu um profissional trabalhando com 3D Studio. Foi naquele momento que decidiu que era aquilo o que queria. Entretanto, o problema é que a internet na época não dispunha de muitas informações sobre o setor, e o número de profissionais que trabalhavam na área era muito restrito para a troca de informações. As únicas fontes eram a revista Digital Designer e os fóruns que existem até hoje, que são o 3d Total e o 3D1 (nacional).

Em entrevista ao Biofolio, Cláudio avalia como pontos positivos de se trabalhar como freelancer a liberdade criativa, o fato de ter várias empresas como clientes e a possibilidade de um ganho maior do que o mercado usualmente paga; e os fatores que pesam contra são, segundo o seu ponto de vista, o livre mercado (cada um dá o preço de acordo com o custo que tem), uma jornada de trabalho bem extensa, além do mercado brasileiro ainda ser preconceituoso com relação a prestação de regime freelancer.

claudio-barbosa-3d-glenda-linhares

De fato, a prestação de serviços na área de comunicação visual, por profissionais gabaritados mas que não têm uma empresa definida nos moldes de uma agência de comunicação (e de preferência com algum nome no mercado), por exemplo, pode afastar alguns clientes que exigem este tipo de formatação como aspecto de credibilidade.

Porém, se esquecem de que a qualidade e honestidade são essenciais em um novo tipo de negócio que alavanca a economia: o empreendedorismo. Com altos impostos, a solução é se estruturar pouco a pouco até que se configure um status de confiança acima do receio de se contratar este tipo de profissional, onde impera sobretudo o contato pessoal e os resultados que falam por si mesmos.

O imediatismo atual transforma, inclusive, toda a experiência em fator relevante na busca por resultados, como afirma:

Todo cliente quer solução para um problema pontual de forma ágil e eficiente, independente do tamanho, e hoje pela urgência que a sociedade vive, vejo que o melhor caminho é sempre a simplificação.

claudio-barbosa-3d-maquetes

O aprendizado é tarefa árdua que afasta a muitos, mas a prática ensina que a técnica evolui com o tempo:

Tudo é muito difícil, mesmo os cursos tradicionais não ensinam como trabalhar de verdade, o que são ensinados são alguns caminhos. Precificação e técnicas próprias são exercícios de muita prática e o espírito de humildade sempre tem que prevalecer para que você sempre se aperfeiçoe. Indico para 3d o Software chamado Modo, da empresa The Foundry. Programas vetoriais são sempre os mesmos: CorelDraw, Adobe Illustrator; e para manipulação de imagem é unanimidade: o Adobe Photoshop. Independente do software, o que prevalece é sempre a técnica.

claudio-barbosa-3d-ilustracao-veiculo-canteiro

claudio-barbosa-3d-praca-ativa


Fale com Cláudio Barbosa no WhatsApp ou envie um email:

(31) 98587-9184

[email protected]


Compartilhe para que mais pessoas leiam também.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *